No cruzeiro mais luxuoso do mundo

No cruzeiro mais luxuoso do mundo

No cruzeiro mais luxuoso do mundo

“Você não vai acreditar, mas temos uma passageira que está fazendo o tricentésimo-quadragésimo-quinto cruzeiro. Ela, na realidade, já vive conosco no navio. E não é a única. Temos muitos clientes que já passaram dos 100 cruzeiros”, conta o capitão Mark Simmons, comandante do Crystal Symphony, eleito repetidas vezes por diferentes e respeitáveis veículos como o mais luxuoso cruzeiro do mundo. A passageira em questão, matriarca de uma família da Florida que a vida espalhou por diversos cantos dos Estados Unidos, não topou dar entrevistas ou posar para fotos. Mas abriu para nossa intrépida reportagem as razões de sua escolha pela vida al mare. “Aqui todo dia eu tenho coisas para fazer, lugares novos para conhecer e, principalmente, se eu desaparecer, logo logo alguém vai dar pela minha falta. Coisa que talvez demorasse mais para acontecer lá em casa”, disse , piscando o olho. Sem dúvida é um jeito mais estiloso de viver do que amargar a solidão de uma mansão em Fort Lauderdale esperando aquela ligação de sua sobrinha-neta pedindo dinheiro. Algo como viver em um paraíso flutuante de cinco estrelas, onde a passagem do tempo, e as notícias ruins do mundo lá fora, parecem não importar.

Palm Court: o sofisticado bar da popa do navio

Durante dez dias nossa trepidante equipe encarou o desafio de conferir um dos roteiros da Crystal Cruises, na rota entre o porto de Beijing e Hong Kong, na China. É um trabalho duro, mas alguém precisa fazê-lo. Número um absoluta no ranking das operadoras de cruzeiros de luxo (lista que inclui nomes como a Oceania e a Seven Seas Cruises), a Crystal consolidou sua fama mundial por oferecer serviços de extraordinária qualidade somados a uma oferta enorme de programas e passeios bem bacanas. O cardápio conta com opções que incluem ações de voluntariado em países pobres, tours de lamborghini pelas ruas de Monaco e até um rolé de helicóptero para tirar fotos com pandas gigantes em Chengdu. Além das experiências, uma certeza. Por melhor que seja a academia a bordo, você voltará para casa com uns bons quilinhos a mais.

Um dos segredos do sucesso da Crystal é o tamanho dos seus navios. Esqueça aqueles poleiros que balançam ao sabor das ondas com cinco mil almas dançando micareta. O Crystal Symphony conta com apenas mil passageiros e 560 tripulantes. E os navios mais novos recém apresentados pela empresa conseguem ser ainda menores e mais exclusivos. Um deles possui apenas 58 cabines!

Detalhe da sala de uma das suítes de cobertura do navio

Logo ao embarcar já faça amizade com o mordomo de sua cabine, que estará a sua disposição 24 horas durante todo o cruzeiro. Eles são exclusivos das 65 cabines de cobertura, que têm cerca de 40 metros, varanda e banheira com hidro. Certa tarde, ao voltar de um passeio, pedimos a ele mais gelo para o balde de champagne. “Com certeza”, começou a resposta. “Mas se o senhor permite, reparei que esse champagne que o senhor está bebendo não é o que senhor tem tomado desde que embarcou. Já coloquei uma garrafa correta no gelo cedo e se me permite vou leva-la imediatamente. Posso oferecer também umas patinhas de caranguejo?” Por pouco não o sequestramos.

Deixe essa coisa chata de desfazer as malas com seu novo assistente e parta para um reconhecimento de terreno. Antes, porém um lanchinho. E a primeira pedida é o Trident Bar & Grill, sanduicheria bacanuda que fica no deck superior com cachorros quentes, sanduíches de salmão e hambúrgueres de responsa, acompanhados pela maior oferta de toppings que a imaginação de um americano bem comilão pode conceber. Se preferir algo mais leve, um bistrô funciona o dia todo com bufê de pães, frios, e um time de harpistas que além de tocar divinamente é um colírio para os olhos.

Aproveite para passar os olhos na sua primeira edição do Reflexões, jornalzinho diário que reúne, além das principais notícias mundiais, informações como programação e horários das festas e jantares, dress code de cada evento e intinerários dos passeios oferecidos em terra. Essas excursões, cobradas à parte, estão disponíveis para os mais diferentes bolsos. Fazer carinho tal panda-gigante citado acima, por exemplo, saía por US$ 2,5 mil. Mas a idéia é que sempre tenha algo acontecendo a bordo. Sejam torneios de bridge, aulas de tricô, cha-cha-cha, ou mesmo oficinas de software ministradas por monitores da University of South California. A DVDteca é coisa de cineclubista, com os filmes mais diversos que harmonizam muito bem com o champã e as patinhas de caranguejo.

O problema, se é que se pode dizer assim, é que come-se muito a bordo. “Nosso desafio é criar uma atmosfera permanente de encanto e surpresa. Nunca repetimos os pratos dos jantares, e estamos sempre em buca daquele algo a mais. Como oferecer um jantar de lagostas e caviar na primeira noite no mar”, conta Joseff Matt, diretor de hotelaria do navio. Matt leva no colete números que dão a dimensão da comilança no Crystal Symphony. Das seis cozinhas industriais que atendem a todos os oito restaurantes, saem por dia mais de 4 mil refeições. O serviço começa antes das 5h, quando os padeiros assam diariamente mais de 2.500 pãezinhos, 130 pães doces, 330 croissants e 260 muffins. Até o fim da noite sairão ainda dessas cozinhas 2,5 quilos de caviar, 340 litros de leite, 2.300 ovos, 60 quilos de lagostas e crustáceos, 50 quilos de peixe, 100 de vitela e carneiro e mais uns 200 quilos de filé e outras carnes.

Salão do Silk Road, restaurante que leva a assinatura do chef Nobu

No pacote das cabines superiores você ganha direito a pelo menos um jantar em cada um dos dois melhores restaurantes do navio: o Prego, italiano de inspiração veneziana (não se faça de besta querendo impressionar e peça a lasanha, que é das melhores do mundo); e o Silk Road, japonês com o selo de qualidade do chef Nobu Matsushita. Sempre é possível repetir a experiência, por uma bobagem de US$ 30 extras, já incluindo as bebidas. Há também brincadeiras de gente grande, como o The Conoissers Club, bar-macho de paredes forradas de couro para apreciadores de um bom malte; ou o The Vintage Room, salão para jantares harmonizados com vinhos de uma carta que começa na besteira dos US$ 2 mil a garrafa.

Como nem só de vinho vive o homem, você poderá tentar perder alguns dos muitos quilinhos extras na quadra de tênis, correndo na pista de grama sintética que circunda todo o nível superior, ou malhar na academia que conta com aparelhos de ponta da Kinesis e personal trainers à disposição. Depois de malhar, não deixe de dar uma passadinha no spa liderado por Vinka Mantijuca, ex-capitã da seleção de vôlei da Croata, cuja massagem com bambus quentes é um motivo mais do que razoável para você abrir uma outra janela e fazer agora mesmo uma reserva no próximo cruzeiro.

À noite, a turma da jogatina conta com um cassino pra chamar de seu e arriscar a sorte. Um cinema reveza os principais blockbusters e à noite o teatro apresenta shows de stand up ou pout-porris de coreografias de espetáculos da Broadway. “Ao contrário do que você já viu em outros cruzeiros, você não verá nenhum dos 30 atores do nosso elenco servindo bebidas ou animando uma aula de hidroginástica”, espeta Paul McFarland, diretor de cruzeiros do Crystal Symphony. Na “avenue of stars”, o passageiro que sente a mão do cartão tremer, pode fazer comprinhas em lojas multimarcas de grifes de luxo e joalherias. Mas segure a titia! Uma das muitas atrações do navio consiste em convidar algumas senhoras a participar de uma tarde de modelo, com direito a produção, fotoógrafos, cabelereiros e um desfile no fim do dia com os modelos que elas escolheram nas lojas. Como não levar depois aquele Dior para a cabine.

Fato inegável contudo é que os cruzeiros de luxo são mesmo majoritariamente frequentados por um público de maior idade. Razão que o custo elevado de uma viagem com tanta mordomia talvez explique, mas não justifique. O perfil dos passageiros do Crystal Symphony em nossa viagem era formado em sua maioria por aposentados, gente na faixa dos 55 aos 70 anos, que fez o que tinha de fazer na vida, e agora quer se curtir e curtir novas experiências. Se possível bem tranquilinhas, seguras, e acompanhadas de um bom vinhozinho no final. “Nossos passageiros são de uma turma que tem em casa todos os confortos que o dinheiro pode comprar. Estou convencido de que eles procuram aqui uma experiência de socialização”, diz o capitão Mark Symonds. Para dar uma idéia da vibe da turma, Symmonds conta que no passado havia uma resistência em oferecer também bebidas alcóolicas no sistema all inclusive, com medo de que alguns passageiros exagerassem nas doses. “Daí sabe o que acontece quando liberamos as bebidas? Nada. Não houve nenhum aumento significativo no consumo. Reparamos apenas que as pessoas passaram a ficar até mais tarde nas festas”.

Para informações, a Pier 1 Cruise Experts é a representante da Crystal no Brasil. Telefones (11) 3078-2474 (em São Paulo) ou 0300 7772474 (demais cidades)

Comentários

Deixe seu comentário

Related Posts

One Comment

  1. Kayleen
    jan 19, 2017

    Finnidg this post solves a problem for me. Thanks!

Leave a Comment

Your email address will not be published.